Estudos

Neste caso, temos uma figura mais baixa, de menor estatura que o anterior, e também com as omoplatas de angulação maior (mais “deitadas” do que deveriam ser), ocasionando uma diferente posição do pescoço, desta vez mais próxima do Fila verdadeiro do que no mestiço do Mastif, porém com tronco exagerado.

Se parece com o Fila, porém é muito atarracado, de pernas curtas e muito tórax. Torna-se um animal impróprio ao trabalho no campo, não como no caso anterior em que o animal é grande, mas porque seus passos tendem a ser muito curtos. A figura é retangular como deve ser o Fila, mas é deformado pelos exageros.

A cabeça geralmente é grande, preservando lábios romanos, mas de profundidade exagerada. A influencia do Mastin Napoletano no fila mestiço é muito visível em grande parte do plantel, pelo formato e profundidade dos lábios. Por mais que se tente disfarçar a mistura, cruzando-se mestiços com Filas, os lábios se denunciam.

Geralmente o lábio superior termina misturando-se com as barbelas, devido à tendência de serem muito grandes. Devemos nos lembrar que em todos os padrões em vigência para o Fila, não se admite lábios de profundidade maior que o comprimento do focinho. Uma simples régua bastaria para eliminar boa parte do plantel atual.

Nem sempre este tipo apresenta STOP hoje em dia – uma tendência mais forte nos mestiços de Mastif , mas quase sempre apresenta lábios em forma de V invertido.

De toda forma, devemos sempre desconfiar dos tipos baixotes atarracados, de tórax muito profundo e omoplatas muito anguladas. O Fila não é assim.