Estudos

A Situação do Fila Brasileiro na Atualidade.

Atualmente encontramos uma grande diversidade de tipos e subtipos para a raça Fila Brasileiro, em decorrência principalmente da introdução de raças assemelhadas, importadas da Europa e EUA há cerca de 40 anos. Há possibilidade também de que alterações podem estar ocorrendo na raça, devido a processos de seleção sugestionados por fatores como gosto pessoal ou modismos. A estética é um fator humano que interfere historicamente em todas as raças de animais domésticos; muitas vezes age “descolada” da funcionalidade.

Como pretendemos demonstrar neste trabalho, a diversidade de tipos existente atualmente, a maioria composta por cães portadores de pedigree, constitui-se em fator preocupante para a preservação do Fila na sua verdadeira acepção.

Diversas proposta tem surgido para solucionar a questão, no entanto sempre esbarrando na mesma dificuldade que é a de os clubes não se entenderem quanto a um padrão definido. Mais ainda, se viesse a acontecer um entendimento nesta direção, haveria a necessidade de que algum destes clubes abrisse mão do seu plantel – aquele considerado inadequado ao padrão.

Na prática isso seria impossível, já que seria necessário que os proprietários dos cães portadores de pedigree, que fossem considerados fora do padrão, perdessem seus documentos e tivessem seus animais considerados obsoletos repentinamente. Quem os indenizaria?

Há uma reivindicação de parte dos criadores e de alguns clubes de criação, de que o Ministério da Agricultura brasileiro, assuma o comando da situação, determinando este ou aquele clube de criação como responsável pela raça. Reivindicação dos principais clubes atuantes atualmente, cada qual utilizando de suas influencias e argumentos técnicos para que seja ele o nomeado pelo MA.

Na prática também uma solução difícil de acontecer. O MA já se manifestou quanto a isso mais de uma vez, em diferentes governos e ao longo de décadas, se eximindo de envolvimento em problemas que considera de âmbito interno da cinofilia. Não havendo consenso entre criadores e clubes sobre o que desejam, não será o ministério que determinará a verdade.

Havendo consenso, o MA poderá intervir. Mas da forma como está sendo proposto será bom para o nosso Fila Brasileiro? Vamos ver.

O renomado e conceituado juiz da CBKC, Paulo Roberto Godinho que recentemente lançou importante livro sobre o Fila Brasileiro – Um Presente das Estrelas – vem defendendo uma proposta de solução para a mestiçagem na raça Fila, aparentemente endossada pela CBKC e autoridades da cinofilia brasileira ligadas à FCI.

Defende Paulo Godinho, separar os Filas de cor preta em outra raça, deixando assim que se reconheça todos os demais como Fila, sobre os quais se faria um trabalho de aprimoramento. O que já abre portas para a tese do Fila puro por cruza.

A nosso ver, uma saída honrosa para a CBKC mediante os erros do passado, mas não uma saída para se preservar o nosso Fila Original, que ainda acreditamos ser possível sim.