Estudos

Temos visto bons Filas com conformações semelhantes às duas formas, na minha opinião, aceitáveis. A segunda forma tem sido mais aceita, devido ao fato de que a conformação é mais longa, proporcionalmente. Porém a seleção deste tipo pode tornar o plantel atarracado.

Há, no entanto, ainda muito que se estudar no Fila com relação às suas proporções, até que se defina melhor o tipo ideal. Até hoje não se elaborou um estudo completo neste sentido.

Para que se proceda ao registro de um cavalo, criou-se uma régua própria, que permite a identificação das medidas principais do animal, e as relações entre partes do corpo, determinando assim a harmonia estrutural, dentro do que se deseja em termos de funcionalidade.

No caso do Fila Brasileiro, apenas algumas medidas estão convencionadas como corretas, dependendo-se, no entanto de estudos métricos mais definidos para determinação de outras. Estabeleceu-se, por exemplo, que o comprimento das pernas (medida do chão aos cotovelos) deve ser igual ao comprimento das costelas. Isso evita animais atarracados ou pernaltas. Esta medida deve ser sempre seguida, pois determina equilíbrio estrutural, capacidade de rendimento de terreno no andamento e equilíbrio entre força e velocidade. Esta é uma medida que aproxima o Fila em termos de capacidade e forma de movimentação, aos leões e tigres.