História

Durante quase 10 anos, morando na cidade de Teófilo Otoni, Minas Gerais, criamos sob orientação do CAFIB, do qual fui representante até 1985 aproximadamente. Foi um período de muitas ninhadas, muita experiência, muito aprendizado, porém poucos resultados em termos da qualidade que eu buscava para a criação.

Neste período convivi com pessoas dedicadas ao Fila, em busca de sua preservação na concepção original, e tive o prazer de ajudar ao pessoal do CAFIB no rastreamento de criações pelo interior da região Nordeste de Minas Gerais.

Eu mesmo encontrei criatórios de Fila Original no seu habitat, porém por falta de experiência com a raça, não os preservei devidamente, acasalando com animais “de fora” vindo de criatórios de outras regiões, de origem e características diferentes.

Foi um aprendizado que tive, e posteriormente ao descobrir mais alguns criatórios no interior, optei por não “bulir” com eles, deixando a cargo dos fazendeiros sua preservação, com seu jeito próprio de criar. Afinal foram eles que preservaram o Fila ao longo dos séculos.

Contribuindo com o CAFIB

Realizando RI nas fazendas. Com o pessoal do CAFIB, Frei Inocencio, 1978.

Gala e Loba – demonstracao de trabalho em curral – Teofilo Otoni-MG 1979.

Gala esquivando-se dos chifres. Observe-se a compleicao deste exemplar boiadeiro.

Gala dominando o boi – Teofilo Otoni-MG.

Não tendo avançado como queria na qualidade da criação, eu procurava insistentemente uma forma de acertar melhor.

Em 1984 fui agraciado com o Adros do Vale de Bragança, cão com origem inteiramente na linhas de sangue antigas do canil ABC de São Paulo; foi meu primeiro cão com pedigree do Brasil Kennel Clube (BCK). Ganhador de inúmeras exposições no CAFIB, destacava-se pelo temperamento fortíssimo e era muito admirado por todos. Agradeço ao pessoal do CAFIB ter intermediado sua doação para mim. Seu proprietário, Beni Algranti, enviou-me o Adros em um grande caixote por avião, e após mais de 10 dias de peleja ele se dignou a alimentar comigo.

Um recorde, já que muitos haviam tentado domá-lo nos últimos 18 meses que o senhor Beni mudara-se para um apartamento. Fui o único a conquistá-lo inteiramente, além do senhor Beni.

Passei a me interessar por linhagens de origem mais antiga com pedigree da BCK. Em 1987 recebi a cadela oriunda da extinta linhagem Amazonas, Figura do Travessão.

Foi então que, após mais de 10 anos de tentativas mais ou menos frustradas (eu obtinha sempre ótimas colocações nas exposições em que participava, mas sentia que faltava alguma coisa na criação), em 03/10/87 nasceram os cães Ouro do Caramonã e Opala do Caramonã.